Análise

Google Analytics: O que é? Para que serve? Como usar?

Foto do autor

Por:

eixo

No mundo cada vez mais digitalizado de hoje, a capacidade de entender o comportamento do público e tomar decisões bem informadas é uma pedra angular do sucesso nos negócios. Nesse cenário, o Google Analytics 4 (GA4) emerge como uma ferramenta vital, apresentando uma revolução na análise de dados que se ajusta a um ambiente em constante evolução.

O GA4, a mais recente iteração do Google Analytics, traz consigo uma série de aprimoramentos e inovações que vão além das capacidades de seu antecessor, o Universal Analytics. Esta jornada de exploração nos levará a compreender o que torna o GA4 único e como ele se adapta às necessidades da atualidade.

Vamos embarcar nesta jornada para desvendar o significado do Google Analytics 4, aprender a configurá-lo e explorar as métricas exclusivas que ele oferece. Prepare-se para uma exploração fascinante do mundo da análise de dados moderna e da privacidade do usuário. Seja você um profissional de marketing digital, um desenvolvedor de websites ou um entusiasta da tecnologia, este guia é um recurso valioso para o entendimento do GA4 e o que ele reserva para o futuro. Vamos começar!

O que é Google Analytics 4?

GA4 é a sigla para Google Analytics 4, a versão mais recente e avançada da poderosa ferramenta de análise de dados do Google. Esta nova versão trouxe mudanças significativas em comparação com o antigo Google Analytics Universal, que muitos de nós estávamos acostumados a usar.

Uma das mudanças mais notáveis é o foco no que mais importa hoje: a privacidade dos dados dos usuários. O GA4 acompanha as tendências recentes de proteção de dados e se adapta ao fim iminente dos cookies de terceiros nos navegadores. Isso é possível graças a um modelo de dados baseado em eventos, que elimina a dependência exclusiva de cookies para rastrear as ações dos visitantes.

Mas o Google Analytics 4 não para por aí. Ele foi projetado com os olhos voltados para o futuro, incorporando tecnologias de aprendizado de máquina para aprimorar os relatórios e possibilitar previsões mais detalhadas sobre o comportamento dos usuários.

Outra novidade emocionante é a análise multiplataforma, que permite que as empresas unifiquem a análise das jornadas dos usuários em seus sites e aplicativos. Isso oferece uma flexibilidade incrível na medição de diversos tipos de dados, ajudando as empresas a compreenderem melhor seu público e tomar decisões mais informadas.

Em resumo, o Google Analytics 4 é a resposta do Google às demandas atuais, trazendo mais privacidade, insights aprimorados e uma visão unificada das interações dos usuários em diferentes plataformas. 

Como configurar o GA4?

Antes de darmos o salto e configurarmos o GA4, é importante saber se a sua propriedade será afetada. Se você criou uma propriedade antes de 14 de outubro de 2020, é provável que esteja usando o Universal Analytics. Nesse caso, você precisará fazer a migração. Mas, se sua propriedade foi criada depois dessa data, é provável que você já esteja utilizando o GA4, e não precisa se preocupar com a mudança.

A boa notícia é que o Google tornou a transição para o GA4 mais fácil. Aqui estão os passos para configurar o Google Analytics 4:

  1. Acesse analytics.google.com e faça login na sua conta do Google Analytics.
  2. No menu, vá até “Administrador” e acesse a seção “Propriedade.”
  3. Clique em “Assistente de configuração do GA4.”
  4. No Assistente de Configuração, clique em “Criar uma nova propriedade do Google Analytics 4.” Isso associará a nova propriedade do GA4 à propriedade do Universal 
  5. Analytics, permitindo que ambas continuem coletando dados até que o Universal Analytics seja descontinuado.

Em seguida, vá até a sua propriedade do GA4 e siga as configurações sugeridas pelo assistente. Isso inclui a instalação da tag para coletar dados, a vinculação da propriedade ao Google Ads e a definição de públicos-alvo para suas campanhas de marketing.

Para obter orientações detalhadas sobre como realizar essa configuração, você pode consultar a página do Google Analytics, que fornece informações específicas para a migração para o GA4, inclusive instruções para desenvolvedores.

Em resumo, a transição para o Google Analytics 4 não é tão complicada quanto pode parecer. Com as orientações adequadas, você poderá aproveitar os recursos aprimorados dessa ferramenta de análise de dados e estar pronto para o futuro. Agora que sua propriedade está configurada, vamos explorar as métricas exclusivas do Google Analytics 4 no próximo tópico!

Métricas exclusivas do Google Analytics 4

Com a transição para o Google Analytics 4, você não só obtém uma nova plataforma de análise de dados, mas também algumas métricas exclusivas que valem a pena conhecer. São quatro métricas novas que merecem destaque no GA4.

Sessões Engajadas: No GA4, a métrica de taxa de rejeição é substituída por “sessões engajadas”. Essa métrica leva em conta a interação do usuário com o site ou aplicativo de uma forma mais precisa. Uma sessão é considerada engajada somente quando o usuário mantém o site ou aplicativo em primeiro plano por, pelo menos, 10 segundos. Se ele sair antes desse período, não é contabilizado como engajamento, mas também não é uma rejeição. Isso ajuda a identificar com mais precisão o envolvimento real do usuário.

Sessões Engajadas por Usuário: Essa métrica calcula a média de sessões em que cada usuário se envolve. Se um mesmo usuário retornar várias vezes, fazendo múltiplas sessões, a métrica considerará a média de engajamento por usuário. Isso oferece uma visão mais aprofundada de como diferentes usuários interagem com seu site ou aplicativo ao longo do tempo.

Tempo Médio de Engajamento: O GA4 introduz o “tempo médio de engajamento,” que mede o tempo que o aplicativo ou site permanece em primeiro plano na tela do usuário, seja no navegador ou no celular. Essa métrica fornece informações valiosas sobre o envolvimento do usuário em relação ao tempo gasto no site.

Taxa de Engajamento: A taxa de engajamento representa a porcentagem de sessões que envolveram interações significativas. Por padrão, uma interação é definida como qualquer sessão que dura mais de 10 segundos com o site ou aplicativo em primeiro plano. Essa métrica ajuda a avaliar o nível de envolvimento dos usuários com o conteúdo, indo além da simples contagem de sessões.

Essas métricas exclusivas do GA4 oferecem uma visão mais precisa e detalhada do comportamento dos usuários, auxiliando na compreensão de como eles interagem com seu site ou aplicativo. Elas são parte do pacote de melhorias que o Google Analytics 4 traz para o futuro da análise de dados.

O que é Google Analytics?

O Google Analytics é uma plataforma que tem como objetivo coletar informações dos usuários ou visitantes de um site. Essas informações dividem-se em diversas métricas que a plataforma considera, como: idade dos usuários, gênero, localização geográfica, comportamentos, entre outras.

Com esses dados, o Analytics consegue gerar relatórios periódicos e, assim, possibilitar um trabalho mais estratégico com ações de marketing na internet. Ele é uma ótima ferramenta no Marketing de Conteúdo, pois te ajuda não só a definir quem é a sua persona e a sua audiência, mas acompanhar — periodicamente e em tempo real — toda a movimentação das pessoas que acessam o seu site.

Continue lendo o artigo para saber mais sobre como funciona a plataforma, como configurá-la em seu site, e entender alguns conceitos importantes que ela traz dentro da ferramenta.

Leia também

Ferramentas de Marketing Digital: lista completa para DIVERSAS ÁREAS!

Como funciona o Google Analytics?

A plataforma coleta informações dos usuários de um site, referentes à métricas como: idade, gênero, localização, comportamento, gostos pessoais, entre outros. Com isso, a plataforma produz relatórios de desempenho de acordo com a movimentação e produção de conteúdo realizada no site, possibilitando, assim, um trabalho mais estratégico com ações de marketing.

Para captar esses dados dos visitantes, o Google Analytics usa um código JavaScript que deve ser instalado em todas as páginas do seu site. Assim, quando um usuário navega por cada uma delas, o código coleta cookies que mapeará todo envolvimento do usuário dentro da página, bem como o tempo de permanência nela e os links que foram clicados por ele.

Ainda, a plataforma identifica de que forma aquele usuário acessou o seu site (por redes sociais, e-mail, google, link externo, etc). Se tiver sido pela busca do próprio Google, por exemplo, você consegue descobrir qual palavra-chave foi utilizada na busca.

Dentre suas principais métricas avaliadas, estão:

  • Sessões: tempo de permanência do usuário em seu site e quantidade de vezes que ele retorna.
  • Usuários: quantidade de pessoas únicas que visitaram o seu site dentro de um período de tempo.
  • Taxa de rejeição: porcentagem de sessões em que não houve qualquer interação com a página. Ou seja, o usuário apenas entrou e saiu rapidamente.
  • Páginas por sessão: número médio de páginas visitadas.
  • Duração média da sessão: tempo médio que o usuário permanece ativo no site.

Google Analytics: Entenda a diferença entre usuários, visualizações e sessões

Uma das principais métricas que o Analytics analisa em seu site é o número de usuários que ele recebeu, quantas vezes as páginas do site foram visualizadas, e quantas sessões foram realizadas dentro dele. Saber a diferença entre cada um é um dos primeiros passos para dominar a plataforma do Analytics.

Usuário é o visitante que acessou o site e navegou em pelo menos uma página. Os dados armazenados no browser permitem identificá-lo e defini-lo como um usuário único. E quando ele acessa seu site por determinado período de tempo, ele pode ser considerado um usuário ativo, e não apenas alguém que entrou e saiu rapidamente da página.

Visualizações, ou Pageviews, refere-se à quantas páginas do seu site foram visitadas pelo usuário. Das três métricas, é a que possui menor importância, visto que para cada vez que a página foi visualizada, não significa necessariamente que um usuário diferente a visitou. Isto é, um mesmo usuário pode ter visitado uma mesma página várias vezes, aumentando o número de visualizações, mas não a de usuários.

Mudança do Universal Analytics para o Google Analytics 4

Em 2019, o Google lançou uma versão beta do que então era chamado de App+Web, posteriormente renomeado para Google Analytics 4, ou GA4. Como o nome sugere, a principal inovação dessa versão estava na capacidade de análise integrada entre propriedades de sites e aplicativos móveis. Esse anúncio gerou um grande impacto no mercado digital, que se esforçou para compreender as mudanças trazidas por essa ferramenta inovadora.

Após aprimorar a versão beta com base no feedback e nas necessidades dos usuários, o Google anunciou a mudança definitiva: a partir de 1º de julho de 2023, todas as propriedades do Google Analytics serão migradas para o GA4. Para as contas pagas do Google Analytics 360, o prazo estabelecido é 1º de outubro de 2023.

Até essa data, os usuários ainda têm a opção de continuar usando o Universal Analytics, com o qual estavam familiarizados nos últimos anos. No entanto, é importante estar ciente de que a transição para o GA4 é inevitável e, na verdade, já pode ser uma vantagem para quem deseja se adaptar às novas funcionalidades e melhorias oferecidas por essa plataforma avançada de análise de dados. A migração proporcionará uma experiência mais robusta e alinhada com as demandas atuais do mercado.

Quais são as principais mudanças da nova versão?

O Google Analytics 4, a mais recente iteração da poderosa ferramenta de análise de dados da Google, traz consigo um conjunto de transformações marcantes em comparação com o antigo Google Analytics Universal, com o qual muitos de nós já estamos familiarizados.

Privacidade dos dados:

O GA4 reforça a segurança e a privacidade dos dados dos usuários de forma mais abrangente do que o Universal Analytics. Este aprimoramento envolve controles de privacidade mais abrangentes.

O Google Analytics 4 não mais se apoia exclusivamente em cookies para coletar dados, mas emprega um modelo de dados fundamentado em eventos, aprimorado por meio de aprendizado de máquina. Esse ajuste remove a necessidade de depender de cookies de terceiros para rastrear as ações dos visitantes, o que resulta em um processo de rastreamento mais seguro e em conformidade com as crescentes preocupações de privacidade.

Adicionalmente, o GA4 não retém mais endereços de IP, assegurando assim a privacidade dos usuários. A ferramenta também oferece recursos que permitem às empresas se adequarem a regulamentações de privacidade, como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Esses recursos possibilitam a obtenção do consentimento dos usuários assim que eles acessam o site e a remoção de informações pessoais dos bancos de dados quando solicitado.

Análise Multiplataforma:

O Google Analytics 4 oferece uma visão abrangente do ciclo de vida do cliente, independentemente dos canais usados. A ferramenta integra a coleta de dados de sites e aplicativos, permitindo análises mais detalhadas do comportamento do usuário e do desempenho em diversos canais.

Integração com Google Ads:

O GA4 aprimora a análise da jornada do usuário por meio da integração com plataformas de publicidade, como o Google Ads. Dados do Google Ads são fundidos com o GA4, proporcionando uma análise mais completa das campanhas pagas.

Isso possibilita a avaliação do desempenho das campanhas, a mensuração do tráfego e das conversões geradas por elas, a compreensão dos caminhos que os usuários percorrem até a conversão e a identificação de pontos de abandono no funil de conversão.

Aprendizado de Máquina:

O GA4 incorpora tecnologia de aprendizado de máquina baseada em inteligência artificial para a modelagem de dados, permitindo análises mais profundas, mantendo ao mesmo tempo a segurança dos dados e a privacidade dos usuários.

O aprendizado de máquina também habilita insights preditivos, permitindo que a ferramenta aprenda com os comportamentos dos usuários conforme eles interagem com o site ou aplicativo. Isso torna possível prever, por exemplo, o aumento da demanda por um produto antes que ele ocorra, possibilitando preparação para atender às necessidades dos clientes.

Além disso, a criação de públicos preditivos, como prováveis compradores em uma semana, é viável e pode ser exportada para campanhas no Google Ads, ampliando ainda mais o poder do GA4.

Modelo Baseado em Eventos:

O modelo de dados do GA4 se baseia em eventos, substituindo o modelo baseado em “hits” do Universal Analytics. Eventos correspondem a ações específicas que os usuários realizam em seu site ou aplicativo, tais como cliques, rolagens, pesquisas no site e downloads de arquivos.

Enquanto alguns eventos são capturados automaticamente, outros mais específicos precisam ser configurados na propriedade do Google Analytics. Essa abordagem baseada em eventos oferece uma compreensão mais detalhada das interações dos usuários, possibilitando às empresas adaptar o rastreamento de acordo com seus objetivos específicos.

Google Analytics Academy

O G.A Academy é a plataforma de aulas gratuitas oficial do Google para quem deseja aprender tudo sobre a ferramenta. Ela conta com diferentes cursos que se encaixam na necessidade e nível do usuário, como por exemplo: Google Analytics para iniciantes, Primeiros passos com o Google Analytics 360, Fundamentos do Gerenciador de tags do Google e Curso avançado do Google Analytics.

Todos os cursos são gratuitos e podem ser acessados online a qualquer momento. A maioria dos cursos é em inglês pois são ministrados pelos líderes do setor na empresa, mas há  também cursos disponíveis em português.

Clique aqui para acessar e se inscrever no Analytics Academy do Google.

Posts Recentes



Posts Recomendados



selo rd station 1 selo rd station 2 selo google selo rd station 3 selo rd station platinum
logo
instagram facebook linkedin pinterest youtube

Conteúdos