Os 8 erros de SEO que te afastam das primeiras posições do Google

SEO - Raphael Caitano

“Quem não é visto não é lembrado.” Esse conhecido ditado popular certamente diz muito sobre marketing digital – para sua estratégia funcionar, você precisa posicionar seu conteúdo para obter a maior visibilidade possível. 

Se você está produzindo conteúdo para o seu site, mas ele não está sendo ranqueado pelo Google, preciso te dizer a verdade: seu trabalho provavelmente não está alcançando seus potenciais clientes. 

Para você entender melhor porque o rankeamento do seu conteúdo no Google desempenha um papel tão importante na sua estratégia, basta pensar o seguinte: aparecer nas primeiras posições de busca do Google significa gerar mais tráfego para o seu site, consequentemente, mais leads. Com mais leads, a probabilidade de fechar uma venda também aumenta, ou seja, o aumento de tráfego está diretamente relacionado ao resultados de vendas. 

É claro, seu conteúdo precisa ser rico, relevante para sua audiência. No entanto, mesmo assim, ocupar as primeiras posições do Google é indispensável. Bom conteúdo sem SEO não é suficiente! 

Muitos acreditam que basta criar o conteúdo que os mecanismos de busca irão se encarregar de todo o resto, mas a realidade é que o Google trabalha vasculhando uma variedade ENORME de conteúdos e sites em toda a Internet, ou seja, você não está sozinho.

Nesse contexto, já parou para pensar que o ideal seria você ajudar o Google a te encontrar?

Neste artigo vamos falar sobre 8 erros de SEO que te afastam das primeiras posições do Google. Se prestar bem atenção às próximas dicas e aplicá-las em sua estratégia, tenho certeza que seu tráfego vai melhorar em pouco tempo. Acompanhe até o final! 

 

1. Não utilizar o Google Search Console

O Google Search Console é uma poderosa ferramenta para entender como o Google vê o seu site. Por meio da análise feita na plataforma, é mais fácil identificar os pontos do seu site que precisam ser ajustados para melhorar o rankeamento. 

Manualmente, você pode inserir o endereço a ser analisado no Google Search Console e a própria ferramenta fornece relatórios de tráfego e rankeamento do seu conteúdo. Caso o desempenho esteja ruim, ainda oferece sugestões de melhorias para realçar sua página nas pesquisas. 

O Google Search Console também tem outras funcionalidades importantes que não podem ser ignoradas, como, por exemplo, a parte de “cobertura’ – analisa e apresenta os erros do site que podem interferir na indexação das páginas. 

Além disso, também é possível analisar a facilidade de uso em dispositivos móveis, o que dá uma visão dos problemas em usabilidade mobile. Este é um importante fator de SEO por conta da política “Mobile-first” do Google, na qual sites não adaptados adequadamente para mobile recebem menos pontos de rankeamento.  

 

2. Não investir em Link Building

Receber links de outros sites é um fator muito relevante para alcançar as primeiras posições no Google. Quanto mais sites e blogs (de credibilidade!) linkarem sua página (link building), mais relevância eles transmitem para o seu conteúdo. Com isso, os algoritmos do Google não têm outra opção a não ser colocá-lo nas primeiras posições de busca.

Para quem está começando e não sabe como investir em Link Building, um bom jeito de conseguir que outros sites utilizem seus links é investir em guest posts – publicar posts como convidado em outros blogs. Utilize sua rede de contatos, crie parcerias e escreva ocasionalmente para blogs com o mesmo público ou tema que o seu. 

 

3. Site lento

A velocidade do seu site ou blog influencia diretamente no rankeamento do conteúdo. O Google tem até uma ferramenta gratuita (Test My Site) para testar a velocidade do seu site e se certificar que está dentro dos padrões mínimos de SEO. 

Esse detalhe muitas vezes passa despercebido e acaba prejudicando muito o rankeamento e a experiência do usuário. 

Além de se certificar de que todos os recursos técnicos de conexão e domínio do site estão funcionando corretamente, uma boa dica é comprimir as imagens nos seus conteúdos. Utilizar compressores gratuitos de imagens jpg e png, por exemplo, vai garantir que sua página seja mais leve, e carregue muito mais rápido do que se você utilizasse as imagens originais, sem compressão. 

 

4. Conteúdo duplicado 

Duplicar conteúdo do próprio site pode ser normal, mas prejudicial à sua estratégia. Muitas vezes as pautas são semelhantes e algumas coisas podem ser reaproveitadas. No entanto, fazer isso em excesso ou reutilizar partes muito grandes pode acabar prejudicando seu rankeamento nas ferramentas de busca. 

Isso acontece porque o Google consegue identificar quando um mesmo conteúdo está sendo reproduzido várias vezes (muitas vezes em vários sites diferentes). Como forma de proteção, o conteúdo original (o primeiro a publicar) é exibido nas primeiras posições em detrimento dos demais. 

Dessa forma, mesmo que o conteúdo original seja seu, duplicá-lo é um risco, já que outros conteúdos, com palavras chaves diferentes, podem perder colocações em detrimento do original. 

Agora, no que se refere à duplicar conteúdo de outros sites, o erro é ainda mais grave. Além de ser considerado um plágio, você também será penalizado pelo Google e prejudicará o desempenho do seu site como um todo ao seguir com essa prática de forma massiva.

 

5. URL’s e tittle tags não otimizados

A URL é o endereço da sua página e também é um item significativo para o rankeamento das ferramentas de busca. É fundamental que a palavra-chave do seu conteúdo esteja na URL, como no exemplo abaixo.

erros de SEO

Outro ponto de atenção na hora de definir sua URL é tomar cuidado para não criar um endereço muito grande. Isso pode prejudicar o rankeamento.

O Title Tag é o título que você define para a sua página nos resultados de busca. É o título que aparece como resultado para alguma palavra chave do seu artigo. Portanto, é uma dos critérios mais importantes de rankeamento. Não otimizar sua Title Tag é um erro bobo, mas que custa muito caro.

Algumas dicas básicas: a title tag deve ser curta o suficiente para não ser cortada quando aparecem os resultados de busca. A title tag TEM QUE contar com a palavra chave. Na hora de criar suas title tags, ter um bom conhecimento de copywriting pode ajudar muito.

 

6. Não atentar-se a erros técnicos 

“Mas eu já fiz de tudo: arrumei o título, a URL, melhorei a meta description, aumentei a autoridade da minha página com backlinks e com os links internos que coloquei pelo meu site… Por que ainda não estou nas primeiras posições?”

É aqui que a atenção para erros técnicos fará a diferença entre o seu link e o do concorrente.

Imagine, por exemplo, que dentro do seu conteúdo existe um link que direciona para uma página que está quebrada, ou não existe mais (erro 404). 

De forma simplificada, o Google avalia isso como um ponto que interfere na experiência do usuário, pois você está levando o leitor para lugar nenhum. E essa pode ser uma justificativa para as dificuldades que tem tido em ranquear melhor a sua página.

Além de links internos quebrados no conteúdo, imagens ou vídeos que apresentam problemas também são erros técnicos que você deve se atentar.

Caso você esteja querendo trabalhar um conteúdo ou uma página em específico, você pode buscar por esses erros manualmente (clique em todos os links para conferir e observe se as imagens e vídeos se apresentam como deveriam).

Agora, para detectar erros técnicos em maior volume e em mais páginas, basta utilizar a ferramenta SEMrush, na parte de Site Audit.

 

7. Não fazer análise de concorrência orgânica 

  Você precisa conhecer os termos e palavras-chave mais procuradas no seu ramo de negócio. Muitas vezes algumas palavras-chaves podem ser muito concorridas. Nesses casos, você precisa saber de antemão o grau de dificuldade para conseguir rankear aquela palavra chave diante da ampla concorrência.

O SEMrush é uma excelente ferramenta que, além de fornecer várias estatísticas para palavras-chave, ainda oferece uma análise de concorrência orgânica para as palavras chaves que você pesquisar, o que permite que você, como conteudista, faça as melhores, de maneira calculada, para que suas estratégias de rankeamento sejam mais eficazes. 

 

8. Estrutura de conteúdo inadequada 

Outro erro básico é esquecer de estruturar seu texto de acordo com os padrões do Google: apenas um título principal (H1) dentro do conteúdo e os demais tópicos organizados em subtítulos por ordem hierárquica (H2, H3, H4…).

Um conteúdo bem estruturado permite que o Google identifique de maneira mais fácil palavras-chave no seu texto, melhorando o posicionamento nos resultados de busca. 

Esses são alguns dos principais erros que vejo as pessoas cometerem por ignorar detalhes que parecem irrelevantes, mas que na verdade fazem muita diferença no rankeamento de um conteúdo. 

SEO é detalhe, por isso você precisa conhecer as regras do “jogo” e aplicá-las pragmaticamente. Espero que esse artigo tenha te ajudado a aprender mais alguns segredos para conseguir rankear seu conteúdo nas primeiras posições do Google. 

Se quiser saber mais sobre como utilizar técnicas de SEO para rankear melhor seu conteúdo na internet e aumentar o tráfego do seu site, basta CLICAR AQUI para falar com um de nossos especialistas. 

 

 

Leia também:

O QUE É SEO? GUIA SIMPLIFICADO PARA QUALQUER UM ENTENDER!

COMO COLOCAR A SUA EMPRESA NA PRIMEIRA PÁGINA DO GOOGLE?

COMO O SEO PODE TIRAR SUA EMPRESA DA CRISE

GUIA SEO: 12 AÇÕES PRÁTICAS PARA OTIMIZAR A URL DO SEU SITE

Comentários